terça-feira, 12 de junho de 2012

Estou namorando a Marisa


Eu estava no sebo, com aquele vinil nas mãos. Olhei vários, mas voltei inúmeras vezes ao mesmo disco. O vendedor me perguntou: 


- Tá namorando? Conservadinho assim, é o último. Aproveita! 



Resolvi levar. Naquele disco ia junto não apenas a voz da cantora, mas também um pouco da mulher. Quem dera! 


Estou em avançada idade. O que me arrebata, atualmente, é perceber sinceridade nos gestos mais simples. Assisti uma entrevista da cantora Marisa Monte outro dia e uma afirmação sua me tocou demais. 

Quando não está fazendo música, nos estúdios ou pelos palcos mundo a fora, está cuidando de sua Filha. Toma conta de tudo, costura as próprias roupas; faz tricô e crochê. 

Já me imaginei limpando a casa, lavando e passando nossas roupas. Antes que ela sentisse fome, perguntaria: - O que gostaria de comer hoje? E lá iria eu para a cozinha. E à noite? Ah... e à noite após ouvi-la...

Marisa jamais se apresentou mostrando algo além dos braços e as canelas. Está, digamos, um pouco fora da abundância (de bunda mesmo, principal atributo artístico neste País) que é preferência nacional. Alguém poderá dizer: Ela nem é bonita. Não importa, subjetividade não se explica. 

Nessa questão estética, o amor é um colírio mágico. Após aplicado em seus olhos, transforma quem você ama na pessoa mais linda do mundo.

Então, toda vez que perguntam, respondo: Sim! Estou namorando a Marisa. - Marisa? Sim, a Marisa Monte (no vinil é claro!). Assim como Você, cara leitora, pode "namorar" o George Clooney nas telas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário